21 de setembro de 2020 às 05:59
Escolha seu idioma:

CURTA NOSSA PÁGINA DO FACEBOOK E RECEBA NOVIDADES

Vilma Reis se declara contra fechamento do Odorico Tavares


Publicado em: 23/01/2020 15:29
Por: Rádio Metrópole | Foto: Divulgação


Um dos nomes cogitados pelo PT para disputar a prefeitura de Salvador na eleição deste ano, a socióloga Vilma Reis afirmou, em entrevista à Rádio Metrópole hoje (23), que é contra a decisão do governador Rui Costa (PT) de fechar o colégio estadual Odorico Tavares, localizado no Corredor da Vitória, área nobre de Salvador. O espaço chegou a ser ocupado por um grupo de estudantes contrário ao fechamento nesta semana, mas acabou desocupado, após a presença da Polícia Militar. O projeto para venda do terreno do colégio teve o requerimento de urgência aprovado pelos deputados estaduais.

Vilma diz que ela mesma já foi aluna da rede estadual de ensino, no Colégio Central, e se deslocava da 3ª etapa do bairro de Castelo Branco para o centro da cidade para estudar. “Sou contra o fechamento. Não apenas do Odorico, mas de qualquer outra escola. A gente também não é a favor de militarização da escola. Não é questão de ser contra ou a favor do governador”, declarou. Para ela, a gestão Rui Costa precisa debater com a comunidade para evitar o fechamento da unidade, a exemplo do que ocorreu no Colégio Estadual Ypiranga, localizado no bairro Dois de Julho.

“A gente quer o diálogo, o debate. A comunidade quer ser escutada e quer uma escuta qualificada. A gente defende que a sociedade tenha a sua opinião, assim como teve em relação ao Colégio Estadual Ypiranga”, defendeu. Vilma sustenta que a manutenção do colégio no bairro nobre é importante para que uma parcela menos favorecida da população rompa os limites impostos pelo preconceito. “Sei o quanto é importante a juventude negra e empobrecida sair de bairros periféricos, vir para o centro da cidade e principalmente ao Corredor da Vitória e enfrentar as barreiras invisíveis sociais, econômicas e culturais que existem na cidade, que provocam profundo preconceito”, afirmou.

Foto: divulgação

Comentários