26 de agosto de 2019 às 01:58
Escolha seu idioma:
CURTA NOSSA PÁGINA DO FACEBOOK E RECEBA NOVIDADES

“Queridinho” dos ricos, Huck critica “elite brasileira”, em Harvard


Publicado em: 05/04/2019 19:32
Por: Estadão Conteúdo Foto: Divulgação


O apresentador e empresário Luciano Huck fez críticas à “elite brasileira”, ao ministro da Educação e a “teses liberais por si só” ao abrir a Brazil Conference, evento organizado por estudantes brasileiros em Harvard e do MIT em Cambridge, no estado de Massachusetts, nos Estados Unidos. Ele disse que a elite é passiva. “É incrível como nossa elite é passiva, ela adora reclamar, mas na hora de botar a mão no bolso ou a mão na massa sai todo mundo correndo”, disse Huck. “A gente não pode fugir dessa discussão da redução da desigualdade. Muitas vezes você fala isso e as pessoas fazem cara feia. ‘Ah, mas não é assim, não pode usar esse termo’. Claro que pode”. Sem se comprometer em disputar um cargo eletivo, Huck sugeriu que não sairá da cena política.“Quando a gente abre a caixinha para pensar políticas públicas, é difícil voltar atrás”, disse o apresentador, que ensaiou uma candidatura presidencial em 2018. Ele citou o RenovaBR, grupo de renovação política que foi base de lançamento para a eventual candidatura de Huck. O projeto se transformou em um programa de bolsas para formação de políticos em início de carreira e conta com o apoio de Huck. Segundo ele, estar em ambientes como o de Harvard, debatendo políticas públicas, é “completamente fora” da sua zona de conforto. “É uma convocação geral nacional”, afirmou. “Se a gente não colocar a mão na massa para valer, ninguém fará por nós. Em algum momento da sua vida, a gente tem que servir e tem que bater palma para quem for servir, nem que seja por um tempo”, disse. O apresentador defendeu que sejam “derrubados os muros ideológicos” no País e fez críticas aos que defendem maior armamento da população. “Isso aí não vai resolver problema nenhum de violência, vai só matar mais gente”, afirmou Huck. Em janeiro, o presidente Jair Bolsonaro assinou um decreto que facilita a posse de arma.

Comentários