30 de outubro de 2020 às 10:00
Escolha seu idioma:

CURTA NOSSA PÁGINA DO FACEBOOK E RECEBA NOVIDADES

Parada LGBT de Pernambués 2020 deve acontecer virtualmente, declara Tuka Perez


Publicado em: 06/06/2020 10:35
Por: Redação Bahia Municípios informações do site Pernambués agora Foto: Divulgação


A artista faz parte do Grupo Setorial LGBTQI+ do Mandato da Gente, onde são debatidos em reuniões virtuais, variados assuntos como temas do seguimento, leis, direitos e assunto que fortalecem o movimento.

O site Pernambués Agora realiza Lives semanais, na qual aborda diversos assuntos. O portal já entrevistou cantores, bandas, psicólogo, ativistas dentre outros. A convidada desta sexta-feira (05), foi a Cocoordenadora das paradas LGBTQI+ de Salvador, e primeira assessora parlamentar trans de Salvador, Tuka Perez.

Um dos assuntos comentados na Live foi o resumo da vida de Tuka, temas sobre o seguimento LGTBQI+ e os desafios de ser o que é dentro de uma sociedade preconceituosa, além de abordagens sobre as Paradas LGBTs e movimentos em meio a pandemia.

A apresentadora Paula Amorim, questionou sobre a percepção da mudança no pensamento na sexualidade. Tuka sempre responde que não foi uma descoberta. “Não me descobri trans, eu já nasci assim e não há nenhuma anomalia em mim”, disse a artista de 36 anos.

A ativista trabalha também como assessora parlamentar do vereador, Luiz Carlos Suíca (PT). Tuka Perez cresceu no bairro de Pernambués. De acordo com o depoimento, a transformação deu início na adolescência, onde ela ficou conhecida por ser comunicativa e ter atitude nas lutas e resistências e por esse motivo chamou a atenção do vereador Suíca.

Durante a Live, a apresentadora Paula Amorim, perguntou sobre o antigo nome, a assessora em tom descontraído, não quis revelar o seu antigo nome, deixando claro, que hoje se chama Tuka Perez.

“2012 trabalhei na campanha com o vereador Suíca, foi um processo divertido, nunca havia trabalhado com política, e eu participava na época e ainda participo, do grupo Linha de Frente, quero aproveitar e agradecer ao grupo que através dele, recebi muito força, e atreve desse grupo e do vereador, eu percebi minha resistência e dom. Na época eu trabalhei por amor, não foi por dinheiro, eu queria trabalhar por um candidato que era gari, trabalhador, um menino sonhador, eu quis trabalhar para ele. Em 2012 recebi o primeiro convite para puxar a primeira Parada Gay do bairro de Pernambués, eu fiz bem feito, e nesse momento Suíca acreditou em mim, e ele me deu a maior oportunidade da vida”, disse.

Emocionada Tuka agradece por entrar na Câmara Municipal de Salvador pela porta da frente.
“01 de janeiro de 2013 eu entrei pela porta da frente como a primeira assessora transsexual do mundo. Depois de 29 anos tive meu primeiro emprego, um homem hetero, que me deu essa oportunidade, serei grata eternamente.  Acho que os outros vereadores deveriam dar a mesma oportunidade para pessoas trans, assim como Suíca fez”, declara.
De acordo com Tuka, o pontapé inicial para o processo na mudança do nome, aconteceu com a ajuda do edil petista, quando Suíca convidou a ativista para trabalhar junto com ele no mandato. Tuka lembra que o petista foi eleito o vereador mais votado de Salvador, em 2012 pelo partido. Em 2013 quando Tuka foi nomeada a primeira assessora trans do Brasil e do mundo, houve os trâmites das documentações, “Suíca exigiu que a documentação e meu crachá estivesse meu novo nome ‘Tuka Perez’, eu agradeço muito ao vereador, que me ajudou nisso, foi um pontapé”, diz.

Ao Site Suíca fala sobre a importância em dar oportunidades. “É importante criar setoriais dentro do mandato, para sabermos a realidade de cada seguimento, os debates, os discursões fazem crescer os movimentos, Sou um vereador que acredita nas pessoas, no mandato da gente temos diversidade. “Há mais de 15 anos, travestis e transsexuais falaram sobre sua realidade pela primeira vez no congresso nacional. Ainda que tenhamos tido avanços na última década, a população trans continua a passar por dificuldades de integração social e trabalhista, tendo apenas 35 anos como expectativa de vida.

Fui o primeiro vereador da câmara municipal a contratar como assessora uma mulher trans, Tuka Perez, e seguiremos juntos em defesa da diversidade na luta por direitos, respeito e representação para todos e todas”, concluiu.

A apresentadora Paula, pediu que Tuka explicasse a diferença de mulher trans e travestis. Tuka disse quando novinha, se inspirava nas travestis, pois não tinha uma referência, nem conhecimento, com isso, o tempo foi passando, e ela foi se identificando como mulher, aprendendo que ela é uma mulher trans, Perez, deixou claro que ainda não fez a cirurgia dos órgãos genitais, mas que se identifica, se ver, se veste e pensa como uma mulher, “Eu me sinto bem com o órgão genital que nasci, não acho necessário mudar isso, temos que deixar claro, que ser homem trans, mulher trans é mais que sexo, que um órgão genital, é se identificar, se ver, ter a mentalidade do sexo oposto, é como está dentro de um corpo que não é seu”, esclarece.

Sobre o preconceito em usar banheiro feminino, Tuka disse que já sofreu preconceito, porém não em banheiro. “ Acho que temos que saber entrar e sair, nunca fui barrada em banheiro em lugar nenhum, temos que saber lidar com isso, hoje em dia é um direito nosso, temos o nosso nome civil, podemos mudar toda a nossa documentação, porém, tem funcionários de alguns estabelecimentos, que não estão preparados com essa evolução, nós sofremos com isso, somos oprimidas, perseguidas, temos que saber lidar com isso, porque sempre vai acontecer”,  frisa.

Sobre o nome escolhido pela assessora. Ela informou que a dançarina Carla Perez, foi a inspiração e referência para o nome. “ A vida pessoal e artística de Carla me inspirou, eu sou bem próxima dela, já dancei com a Carla, já dormir na casa dela, ela me chama de “Lacraia Perez”, quando Carla está no palco subo e danço muito, onde Carla está eu vou atrás, por isso, para mim ter o sobrenome Perez, é  uma referência, dançar é uma arte.  Sou muito fã da Carla Perez, acho ela maravilhosa, humilde”, disse.
Sobre sonho, Tuka revela que sente vontade de escrever um livro sobre a sua história de vida artística, de luta e política.

Parada LGBTQI+ em Pernambués
Tuka disse que em meio a Pandemia, vários eventos foram cancelados. “Lavagens, festas, e as paradas LGBTs, tivemos que cortar várias paradas esse ano, infelizmente a Parada LGBT em Pernambués, como todos os anos, não vai acontecer, mas iremos realizar nossa parada virtual, será diferente, com perguntas, musicas, assuntos sobre movimentos, vai ser divertida e convido todos para participarem”.

Comentários