4 de dezembro de 2020 às 04:52
Escolha seu idioma:

CURTA NOSSA PÁGINA DO FACEBOOK E RECEBA NOVIDADES

Máscara de tecido desenvolvida por brasileiros elimina coronavírus em 2 minutos


Publicado em: 19/06/2020 16:54
Por: Redação Bahia Municípios com Agências Imagem: Reprodução/ Visual Science


Em busca de formas para combater casos da COVID-19, pesquisadores da empresa paulista Nanox desenvolveram um tecido composto por micropartículas de prata em sua superfície, que pode inativar o novo coronavírus (SARS-CoV-2) em questão de minutos. Pela alta eficiência, a invenção deve contribuir no combate à doença, propondo materiais mais inteligentes para as máscaras e roupas hospitalares.

Com o novo coronavírus, o grupo de pesquisadores começou os testes para avaliar se esses materiais também eram capazes de inativar o SARS-CoV-2, isso porque já havia sido demonstrado em trabalhos científicos a ação contra específicos tipos de vírus.

Para testar a eficácia, os cientistas se associaram a pesquisadores da USP, que cultivam, em laboratório, o novo coronavírus obtido dos dois primeiros pacientes brasileiros diagnosticados com a doença, ainda em fevereiro desse ano. Assim as amostras do tecido puderam ser mantidas em contato direto com os vírus em intervalos de tempo diferentes, de dois e cinco minutos, enquanto se avaliava a atividade antiviral.

Bons resultados

“A quantidade de vírus que colocamos nos tubos em contato com o tecido é muito superior à que uma máscara de proteção é exposta e, mesmo assim, o material foi capaz de eliminar o vírus com essa eficácia”, afirma Lucio Freitas Junior, pesquisador do laboratório de biossegurança de nível 3 (NB3) do ICB-USP, sobre os bons resultados na eliminação do vírus.

“É como se uma máscara de proteção feita com o tecido recebesse um balde de partículas contendo o vírus e ficasse encharcada”, explica Junior. Além desses testes, o material passou por exames que avaliaram o seu potencial alérgico, fotoirritante e fotossensível, eliminando o risco de problemas dermatológicos.

Próximos passos

Apoiada pelo Programa Fapesp Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas (Pipe), a empresa começa a investigar a duração do efeito antiviral das micropartículas no tecido conforme ele é lavado. “Como o material apresenta essa propriedade bactericida mesmo após 30 lavagens, provavelmente mantém a atividade antiviral por esse mesmo tempo”, estima Simões sobre a possibilidade reutilização do equipamento de proteção.

Além do tecido, a empresa também testa a capacidade de inativação do novo coronavírus pelas micropartículas de prata só que, agora, incorporadas à superfície de outros materiais, como filmes plásticos e um polímero flexível, parecido com uma borracha.

O desenvolvimento desse tecido antiviral contou com a participação de pesquisadores do Instituto de Ciências Biomédicas (ICB) da Universidade de São Paulo (USP), da Universitat Jaume I, da Espanha, e do Centro de Desenvolvimento de Materiais Funcionais (CDMF).

 

Comentários