7 de agosto de 2020 às 00:01
Escolha seu idioma:

CURTA NOSSA PÁGINA DO FACEBOOK E RECEBA NOVIDADES

Jussara: Pré-candidato a prefeito tem nome incluído no auxílio emergencial


Publicado em: 27/07/2020 13:27
Por: Daniel Pinto Redação Portal Sertão Baiano Foto: Arquivo pessoal nas redes sociais


Dinheiro caiu na conta. Caso foi parar na Polícia!  Confira todos os detalhes!

Enquanto milhares de baianos, inclusive no município de Jussara, sofrem com a perda de renda familiar e aguardam a tão sonhada ajuda do Governo Federal, Thiago de Maristela, pré-candidato a prefeito da cidade, teve o nome incluído no Auxílio Emergencial. De acordo com a Caixa Econômica, além de atender critérios de vulnerabilidade social, para realizar a solicitação do auxílio é preciso baixar o APP e informar nome completo, CPF, data de nascimento e nome da mãe, depois é necessário cadastrar o número do celular e informar a operadora. Em seguida, por medida de segurança, um código SMS é enviado ao telefone. A partir daí, após inserir o código correto, o cadastro segue com informações sobre atividade profissional e dados do núcleo familiar, incluindo CPF e data de nascimento de cada membro.

 

A Caixa creditou três parcelas do benefício, no valor total de R$ 1.804,16, em uma conta digital aberta exclusivamente para esse fim em nome de Thiago Mendes Rocha. Depois que o fato veio à tona, o pré-candidato se disse “transtornado” e “indignado” com a situação. Ele acredita ter sido vítima de fraude. Acompanhado pelo advogado Carlos Laranjeira, Thiago de Maristela, que é sobrinho do atual prefeito do município, registrou Boletim de Ocorrência na representação da 14ª COORPIN-JUSSARA.

Confira nota de esclarecimento e documentos publicados no Facebook:

No último domingo (19), fui surpreendido com a informação de que o meu nome estava constando na relação de beneficiários do Auxilio Emergencial. Inicialmente, imaginei que pudesse ser Fake News, mas ao consultar o site de Transparência do Governo Federal verifiquei a autenticidade das referidas informações. Desta forma, considerando que nunca realizei nenhum cadastro para recebimento deste beneficio, tampouco fora creditado em minha conta bancária o valor de R$ 1.804,16. Transtornado com o fato de constar Indevidamente junto ao Cadastro de beneficiários do Auxilio Emergencial, pensei: quais as probabilidades deste CRIME? Por que tal absurdo?

1. Erro da Caixa Econômica Federal?
2. Ação de Criminosos que estão fraudando o recebimento de recursos em todo o Brasil?
3. Ação Política com intenção de me prejudicar, considerando que sou pré-candidato à Prefeito de Jussara – Bahia?

Assim, no dia seguinte, acompanhado de meu advogado Dr. CARLOS LARANGEIRA MEDEIROS, procuramos a Agência da Caixa Econômica Federal, para esclarecimentos do fato delituoso ocorrido sobre os meus dados. Fui devidamente informado que fora creditado 03 (três) parcelas do Auxílio Emergencial em uma Conta Digital criada especificamente para o programa de seus beneficiários. Conforme, consta em extrato bancário em anexo, NÃO fora realizado nenhum registro de saque ou transferência.

Diante das informações obtidas, determinei que este benefício solicitado por CRIMINOSOS fosse imediatamente ressarcido aos cofres da à União, procedimento este que está em curso, diante deste fato, achei por bem informar às autoridades competentes para que possa ser investigado e apurado este ATO Delituoso. Compareci a 14ª COORPIN-JUSSARA, para denunciar o acontecimento à autoridade competente de utilização indevida de dados pessoais e FRAUDE ao Programa de Auxílio Emergencial, certamente, com objetivos obscuros. Com respeito ao povo neste momento de pandemia e de desemprego em massa, aguardo a investigação e espero que as autoridades possam chegar o mais rápido possível aos verdadeiros criminosos.

Devemos lembrar que este benefício foi criado para socorrer quem realmente precisa de ajuda e não se pode admitir que alguém possa se beneficiar deste valor sem que dele verdadeiramente necessite. Deixo aqui a minha indignação por este fato lamentável, o momento é de União e não de exploração política ou POLITICAGEM.

Thiago Mendes Rocha

Comentários