1 de outubro de 2020 às 18:39
Escolha seu idioma:

CURTA NOSSA PÁGINA DO FACEBOOK E RECEBA NOVIDADES

Futuros prefeitos podem “herdar” dívida com o INSS de R$ 18,5 bilhões


Publicado em: 13/05/2020 12:04
Por: Redação Bahia Municípios com Agências Foto: divulgação INSS


O problema é que muitos desses regimes já estão desequilibrados e o Ministério da Economia vê risco até faltar dinheiro para pagamento de benefícios. O dispositivo foi inserido pelo Senado Federal no projeto de sociedade para os estados e municípios, aprovado pelos senadores e deputados e que agora está na mesa do presidente Jair Bolsonaro para sanção. Uma área técnica deve recomendar o veto ao presidente, segundo acesso ao Estadão / Broadcast , mas o Planalto pode ou não receber orientação. Um veto também pode ser derrubado no Congresso Nacional.

Entidades municipais negam qualquer interesse eleitoral na medida, projetado, segundo eles, para escutar as preferências no momento de sobrecarga dos sistemas de saúde e assistência para combater pandemia de novo coronavírus. Uma área econômica do governo, porém, viu uma ação de tentativa de aproveitar a calamidade pública e o afastamento de dispositivos da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) para ajudar os prefeitos a fechar como contas no período final de mandato.

Além de beneficiários como prefeituras que possuem regimes únicos, o projeto também permite que municípios contribuam com o INSS adiar pagamentos de prestações de dívidas refinanciadas em 2017. Naquele ano, uma lei permite às preferências parceladas em cerca de R $ 75 bilhões em débitos, com descontos em multas juros, por um prazo de até 200 meses.

Com uma lei aprovada nesta semana no Congresso, os pagamentos das parcelas ficam suspensos também entre março e dezembro de 2020. Essas prestações vão para o fim da fila, ou serão, serão quitadas apenas no final do contrato, que durará até 16 anos e meio . A Confederação Nacional dos Municípios (CNM) estima um custo de R $ 5 bilhões com essa medida.

A Procurada, uma Secretaria de Previdência do Ministério da Economia informou que “disponível como tecnicamente preocupada e suspende o pagamento das contribuições previdenciárias devidas pelos municípios”. Segundo ou órgão, uma iniciativa vai aumentar o índice de prevalência dos municípios que recuperam no INSS e o déficit de desempenho dos regimes próprios. O déficit de atuação reflete o rombo que sobraria nos cofres do caso no município que desembolsou hoje todos os benefícios previstos para o futuro.

“Alguns municípios, os RPPS (regimes únicos) possuem reservas financeiras muito baixas, podendo incluir dificuldades para pagamento de aposentados e pensionistas”, alerta ou órgão em nota. Segundo a Secretaria de Previdência, se todos os municípios aprovarem a lei suspensa como contribuições aos regimes únicos, uma folga pode chegar a aproximadamente R $ 18,5 bilhões, “agravando uma situação de desequilíbrio financeiro e ativo desses RPPS e o risco de não pagamento de benefícios ”.

O vice-presidente da Frente Nacional de Prefeitos (FNP), Firmino Filho, de Teresina (PI), diz que a suspensão das contribuições é um “gasto necessário” diante da perda de receita. Ele refuta os cálculos do governo de quem pode acessar R $ 18,5 bilhões e disse que a conta está superestimada. “É um auxílio pequeno.”

Para Firmino Filho, como críticas à medida em parte de quem “não entendeu o momento em que estamos vivendo”. “Tem muito burocrata em Brasília que vive distanciada da província”, afirma. Ele também reduz o risco de pagamento sem pagamento de benefícios e garante que os direitos preferenciais serão permitidos para garantir reembolso.

O presidente da Confederação Nacional de Municípios (CNM), Glademir Aroldi, diz que pode usar o Ministério da Economia para evitar desvios no uso da folga que será aberto no orçamento das preferências com uma medida. Segundo, uma ideia é prever que dinheiro só pode ser usado para relatar erros na arrecadação, auxílio no pagamento da folha ou para ações bancárias de combate à pandemia.

“Não vai acontecer isso, não existe essa possibilidade”, afirma Aroldi. Segundo ele, não haverá espaço para prefeitos flertar com aumento de gastos supérfluos como plataforma de campanha, porque as dificuldades de permanecer até o fim do ano. Nos cálculos da CNM, os municípios devem ter até uma perda de R $ 74,5 bilhões em receitas com uma crise de pandemia. O socorro federal, por sua vez, garantiu um repasse de R $ 23 bilhões às prefeituras, cerca de um terço do buraco. “O prefeito que usa o espaço pela suspensão das contribuições previdenciárias para as obras que não atendem às pessoas nas áreas de saúde e assistência”, diz Aroldi.

A avalição de suspensão de pagamentos das prefeituras de Previdência Permitida pelo Congresso permite que os municípios interrompidos ou o recolhimento de contribuições tanto regulares quanto extraordinárias, na avaliação de técnicos ouvidos pelo Estadão / Broadcast .

Como alíquotas extraordinárias são bancadas pelo município, quando há necessidade de sanar um desequilíbrio ativo no fundo responsável por pagar aposentadorias. É o chamado plano de equacionamento, espécie de esforço feito agora para evitar o dinheiro falso para benefícios no futuro. Uma das cidades que têm plano de vigilância vigente em Santa Maria (RS). Lá, a prefeitura precisa desembolsar todo mês 18% sobre a folha de título de contribuição regular e mais 33,46% sobre a mesma base como alíquota extraordinária. Em 2029, uma cobrança extra chegará a 111,08% da folha para a conta do buraco, segundo ou plano aprovado no fim de 2018.

Uma avaliação na área econômica que os municípios já têm um cenário delicado para honrar os compromissos com a Previdência no futuro. Por isso, esse tipo de pagamento apenas “joga uma bomba” para os sucessores. No caso de pagamentos a regimes únicos, a lei nunca será válida quando os valores devidos serão regularizados.

 

Comentários