22 de outubro de 2019 às 21:04
Escolha seu idioma:
CURTA NOSSA PÁGINA DO FACEBOOK E RECEBA NOVIDADES

Comissão de Meio Ambiente da ALBA visita o Açude Público de Adustina


Publicado em: 30/09/2019 10:48
Por: Ludmilla Cohim | Fotos: Cris Oliveira


Mais um reservatório foi visitado por engenheiros técnicos e pelo presidente da Comissão de Meio Ambiente, Seca e Recursos Hídricos da Assembleia Legislativa da Bahia (AL-BA), deputado estadual, José de Arimateia (Republicanos). Na última sexta-feira (dia 27 de setembro), o Açude Público de Adustina, localizado a 356 quilômetros da capital baiana, de competência do Departamento Nacional de Obras Contras as Secas (DNOCS), foi vistoriado com o objetivo de analisar detalhadamente as condições e funcionamento do reservatório. Além do republicano participaram ainda da inspeção, a deputada estadual, Fátima Nunes (PT) e os deputados estaduais, Laerte do Vando (PSC) e Aderbal Caldas (PP).

De acordo com a avaliação de técnicos do Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Inema), o grau de risco em relação a rompimento é considerado médio, mas existe um alto potencial em relação ao nível de dano que poderia causar, considerando a direção das águas em caso de rompimento.

De acordo com informações do engenheiro agrônomo e assessor técnico da Comissão de Meio Ambiente, Seca e Recursos Hídricos da ALBA, Eduardo Macário, não foi constatado sinais de erosões, apenas pequenas fissuras. Ele ressaltou ainda a necessidade de disciplinar o uso do Açude, principalmente com relação a pesca, porque segundo ele, a atividade se inviabiliza em função do desrespeito no período de crescimento e reprodução de peixes. “O equipamento precisa bastante da limpeza da vegetação arbórea e sua substituição por bromélias como foi plantado em 2006, último trabalho de manutenção. Torna-se fundamental ainda a manutenção do gradeamento no vertedouro, que impede a saída dos peixes em caso de sangramento”, aconselhou.

Após comandar a inspeção de 14 barragens no estado da Bahia, o deputado José de Arimateia, afirma que a falta de monitoramento é um problema recorrente na maioria das barragens do estado. Ele acredita que uma alternativa para conquistar recurso destinado a manutenção do Açude de Adustina é por meio das Emendas Impositivas e de Bancada dos deputados Federais. Preocupado, o republicano garantiu que irá dialogar com o DNOCS para transmitir a real situação do reservatório analisado e indicar a importância do Órgão direcionar funcionários para fiscalizar e acompanhar de forma assídua o funcionamento da barragem.

 

 

Comentários