5 de dezembro de 2020 às 04:52
Escolha seu idioma:

CURTA NOSSA PÁGINA DO FACEBOOK E RECEBA NOVIDADES

Bombeiros atuam em quatro regiões atingidas por incêndios florestais


Publicado em: 09/10/2020 10:21
Por: Redação Bahia Municípios com Agências Foto: SSP/BA


O Corpo de Bombeiros Militar da Bahia (CBMBA) atua em quatro frentes de combate a incêndio: Andaraí, Morpará, Barreiras e Barra. Os militares atuam com o apoio de aeronaves modelo airtractor, do programa Bahia Sem Fogo, brigadistas voluntários, integrantes do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), Prevfogo (Ibama) e população local. As equipes são divididas em áreas e as equipes mantêm contato direto com os pilotos dos aviões, para identificarem possíveis novos focos de difícil acesso, bem como articular as estratégias de combate.

Com temperaturas que podem passar dos 41ºC e sensação térmica ainda mais alta, os métodos utilizados pelos bombeiros são o abafamento, resfriamento, além da retirada de material combustível, como galhos de árvores e folhas. A água é um recurso escasso para esse tipo de atuação, tendo em vista que os combates acontecem distante de estradas, o que impossibilita por exemplo, a chegada do caminhão e até das mangueiras. Por isso, a ação é muito mais complexa e requer muito mais tempo, a depender da região atingida.

Sendo a maioria dos locais de difícil acesso, os militares e as equipes que estão dando apoio percorrem quilômetros a pé, com equipamentos como mochilas costais e sopradores (que juntos pesam mais de 30 quilos). Além das altas temperaturas, a baixa umidade do ar e os ventos fortes são outros agravantes. Os animais também são outra preocupação dos combatentes, que tentam retirá-los ao máximo das áreas atingidas, deixando-os em segurança.

Depois que os bombeiros dão o incêndio por controlado, seguem o protocolo de manter o monitoramento por cerca de 72 horas (de acordo com as condições climáticas) quando os militares percorrem a pé, as áreas atingidas para visualizarem algum possível foco de reignição, só depois desse período o incêndio pode ser dado como extinto.

“Estamos com total atenção para essas áreas atingidas. Temos enviado especialistas em combate a incêndios florestais, além de termos o apoio da sociedade civil. É importante lembrar que durante todo o processo de combate orientamos os moradores locais sobre os cuidados que devem ser tomados, pois o fogo pode sair do controle com muita rapidez e com isso atingir grandes áreas. Por isso, todo cuidado e precaução são fundamentais”, concluiu capitão BM Murilo Rocha.

Durante todo o percurso, os militares orientam os moradores sobre os riscos de atear fogo de forma indiscriminada, segundo as literaturas acadêmicas cerca de 95% dos incêndios em vegetação são causados pela ação humana.

 

Comentários