27 de setembro de 2020 às 12:32
Escolha seu idioma:

CURTA NOSSA PÁGINA DO FACEBOOK E RECEBA NOVIDADES

“As diretorias dos times deveriam punir os jogadores”, diz Rui Costa sobre Ba-Vi


Publicado em: 20/02/2018 17:11
Por: Da Redação


Durante o programa “Papo Correria”, governador classificou confusão entre jogadores como “vexame”

A confusão entre jogadores no último Ba-Vi foi classificada como um “vexame” pelo governador Rui Costa nesta terça-feira, 20. Questionado pelo Portal A TARDE, não disse se o governo do Estado – por meio da Polícia Militar – voltará a intervir na situação dos estádios após a retomada da torcida mista, mas analisou a situação durante o programa “Papo Correria”, exibido no Facebook.

“Infelizmente, a violência foi cometida por aqueles que deveriam estar proporcionando a arte e a defesa do futebol, mas patrocinaram aquele vexame”, destacou.

Em relação ao posicionamento das diretorias dos dois times, Rui Costa defendeu que os jogadores envolvidos no tumulto recebam as devidas punições.

“Ao invés de justificar (a confusão), os diretores deveriam anunciar punições para os atletas que promoveram aquela vergonha. Aquelas cenas percorreram o mundo inteiro. Infelizmente, notícia ruim circula mais do que notícia boa. Espero que cenas assim não voltem a se repetir nos campos de futebol”, declarou.

Segundo o governador, os jogadores deveriam dar o exemplo para jovens e crianças que sonham em seguir a profissão. “Quem está dentro de campo tem que ser profissional e dar bom exemplo. Quando a gente liga a TV ou vai ao estádio, quer ver coisa bonita, independente do nosso time ganhar”.

Após análise da Federação Bahiana de Futebol (FBF), o Bahia foi declarado vencedor do clássico, pelo placar de 3 a 0.

Este foi o primeiro duelo com torcida mista desde o ano passado. A recomendação para a implantação de torcida única para os jogos Ba-Vi foi feita pelo Ministério Público em abril, após o registro de confusões no primeiro duelo de 2017, quando um torcedor do Bahia foi morto e outro baleado fora da Arena Fonte Nova.

Comentários