13 de dezembro de 2018 às 04:51
Escolha seu idioma:
CURTA NOSSA PÁGINA DO FACEBOOK E RECEBA NOVIDADES

TJ dá resposta a Luislinda Valois e homenageia “primeira juíza negra” da história


Publicado em: 29/11/2018 23:22
Por: AGENCIA DE NOTÍCIAS/ Foto: Divulgação


Bravíssima Mary de Aguiar Silva, reconhecida pelo TJ como primeira juíza negra do país, ao lado de Lidivaldo e de um sobrinho.

A justíssima homenagem que o Tribunal de Justiça do Estado prestou esta manhã à juíza aposentada Mary de Aguiar Silva, de 92 anos, pelo fato de ter sido a primeira magistrada negra da Bahia e do Brasil, não escondeu uma dura resposta à desembargadora aposentada e ex-ministra Luislinda Valois (Direitos Humanos), que durante muito tempo se auto-atribuiu publicamente o título. Empossada em 1962, não se imagina a luta que esta brava mulher deve ter travado contra o preconceito e as dificuldades de uma infância humilde, como destacaria hoje, na grande festa que o TJ preparou para a concessão da honraria, o sobrinho de Mary, Eli José de Aguiar, que se deslocou de Brasília, com muito orgulho, para prestigiar a homenagem à tia.  A primeira juíza negra atuou na Bahia de 1962 a 1995, mas sua exuberante carreira jurídica incluiu ainda uma passagem como promotora de Justiça. O resgate ao seu papel pioneiro é devido à Comissão de Igualdade, Combate à Discriminação e Promoção dos Direitos Humanos, presidida pelo desembargador Lidivaldo Brito. Proposta pelo colegiado, a honraria foi aprovada à unanimidade durante uma sessão do pleno do Tribunal de Justiça em outubro passado, na qual o presidente da Corte, desembargador Gesivaldo Brito, não deixaria de alfinetar indiretamente Luislinda Valois, ao dizer que “tentaram usurpar” o reconhecimento a Mary. No evento de hoje, o próprio Lidivaldo voltou ao tema quando, aludindo à desembargadora aposentada e ex-ministra, afirmou que o TJ corrigiu um “equívoco histórico” ao dar publicamente o título à ex-juíza.

Comentários