23 de outubro de 2018 às 15:26
Escolha seu idioma:
CURTA NOSSA PÁGINA DO FACEBOOK E RECEBA NOVIDADES

Primeiro BRT de salvador em operação


Publicado em: 16/05/2018 13:53
Por: Secretaria Municipal de Comunicação (Secom)


A Secretaria Municipal de Comunicação (Secom) de Salvador divulgou nesta quarta-feira (16) um vídeo com uma animação que explica o projeto do BRT de Salvador, que envolve investimentos em mobilidade, infraestrutura e transporte público. As obras já estão em fase inicial no primeiro trecho, entre o Parque da Cidade e a região da rodoviária, com investimento de R$ 212.781.070,50 e recursos de financiamento junto à Caixa Econômica Federal.

Nessa etapa, serão gerados 700 empregos diretos, e as contratações irão privilegiar moradores dos bairros do entorno da região por onde o BRT vai passar (avenidas Vasco da Gama, Juracy Magalhães e ACM, fazendo a ligação entre a Lapa e a área da rodoviária por essas vias).

As intervenções serão concluídas em 28 meses. As obras são executadas pelo Consórcio BRT Salvador, formado pela Camargo Correa Infraestrutura S.A., Construções e Comércio Camargo Correa S. A. e Geométrica Engenharia de Projetos Ltda. O projeto vai resolver problemas antigos da cidade, como os engarrafamentos nessa região, com a construção de viadutos e elevados, e também os alagamentos que costumam acontecer em épocas de chuva nas avenidas ACM e Juracy Magalhães, graças às intervenções nos canais que hoje servem como depósito de lixo e esgoto.

Segundo o secretário municipal da Mobilidade, Fábio Mota, a escolha do percurso foi justamente o de uma região que representa o maior ponto de origem e destino de passageiros que usam o transporte público na cidade. De cada dez viagens, sete têm como origem ou destino essa região. Só nas avenidas Vasco da Gama, Juracy Magalhães e ACM circulam 340 mil pessoas por dia nas 68 linhas convencionais de ônibus.

O sistema terá capacidade para transportar até 31 mil pessoas por hora – cada ônibus articulado pode acomodar até 170 passageiros. Os coletivos terão comprimento máximo de 23 metros e vão operar até a 40 km/h. No caso dos alagamentos, o problema deve ser solucionado com investimentos em macro e microdrenagem nas vias.

Comentários