23 de setembro de 2018 às 13:25
Escolha seu idioma:
CURTA NOSSA PÁGINA DO FACEBOOK E RECEBA NOVIDADES

Preso traficante acusado de comandar chacina no Engenho Velho da Federação


Publicado em: 15/09/2018 9:01
Por: (CORREIO/Foto: Almiro Lopes)


Quadrilha de Benga fornece drogas na região da Vasco da Gama, além de bairros nobres como Graça, Barra e Ondina.

Suspeito de cometer uma chacina com quatro mortos no Engenho Velho da Federação, em Salvador, em julho do ano passado, o traficante Luciano de Jesus Mota, conhecido como Benga, 24 anos, foi apresentado no Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) na tarde desta sexta-feira (14). Foragido da polícia há um ano, o suspeito, que tem uma passagem por tráfico de drogas, também é acusado de matar um cabeleireiro no mesmo bairro.

A delegada Milena Calmon informou que na ocasião da primeira passagem pela polícia, Benga ficou “menos de 24 horas na prisão porque estava com um caderno que tinha anotações de dívidas de tráfico”.

Morte de cabeleireiro
O primeiro crime que Benga participou, segundo a polícia, foi contra o cabeleireiro Edson Guilherme de Souza, em junho de 2017. Segundo a delegada, o homicídio foi motivado por vingança. No mesmo dia, um comparsa de Benga foi morto em confronto com a polícia no Engenho Velho da Federação e ele acreditou que Edson era responsável por delatar seu parceiro.

O cabeleireiro também trabalhava como segurança e “tinha contato com policiais, o que é encarado como afronta pelos criminosos”. A desconfiança fez com que Benga planejasse e executasse Edson, junto com dois comparsas, dentro da casa da vítima. Os outros dois envolvidos no crime são Matheus Roberto Costa Souza, o Boca Preta, e Eric Santos Argolo, conhecido como Loirinho.

Chacina
O outro crime atribuído a Benga foi motivado por uma disputa interna entre integrantes da facção Bonde do Maluco (BDM).

O delegado Odair Carneiro contou que a chacina aconteceu menos de um mês após o homicídio do cabeleireiro, também no Engenho Velho da Federação. Segundo o delegado, Benga e mais seis comparsas mataram outros quatro integrantes da facção, “que deixaram de comprar drogas na região comandada por Luciano e passaram a comprar em Feira de Santana”.

As vítimas da ação foram Jacson Ramos de Almeida, Alexander Patrick Silva dos Santos, Reinaldo Cardoso dos Santos e Luciano de Souza Santos Filho. O delegado conta que “todas as vítimas tinham envolvimento com o tráfico de drogas”.

Após o segundo crime, que aconteceu no dia 21 de julho de 2017, Benga fugiu para o povoado de Nagé, em Maragojipe, no Recôncavo. Durante esse período, a polícia expediu mandado de prisão preventiva e conseguiu prender seis criminosos que participaram das quatro mortes. Todos, menos Benga.

A prisão do último criminoso aconteceu nesta quinta. O comandante da 41ª CIPM, major Adilson José de Santana, contou que a Polícia Militar recebeu informações de que Benga tinha retornado a Salvador.

As investigações confirmaram as denúncias e o suspeito foi preso quando ia para a casa da avó, localizada na Rua das Palmeiras, na localidade da Lajinha, onde Benga nasceu e cresceu.

O comandante informou que o traficante não resistiu à prisão e que foi “uma ação exitosa e relativamente tranquila” e que Luciano era “um dos indivíduos mais procurados e perigosos do Engenho Velho da Federação”.

Atuação
O delegado Umberto Bartoli, da 7ª Delegacia (Rio Vermelho), contou que Luciano Benga vinha acumulando prestígio junto à sua facção, o BDM. Segundo o delegado, além da regiões da Rua do Dulce, Avenida Vasco da Gama, Lajinha e Engenho Velho da Federação, o suspeito também vendia drogas para clientes de bairros nobres como Graça, Barra e Ondina.

Comentários