23 de outubro de 2018 às 16:04
Escolha seu idioma:
CURTA NOSSA PÁGINA DO FACEBOOK E RECEBA NOVIDADES

Pesquisa Datafolha: Bolsonaro, 24%; Ciro, 13%; Marina, 11%; Alckmin, 10%; Haddad, 9%


Publicado em: 11/09/2018 8:36
Por: DATA FOLHA/FOLHA DE SÃO PAULO


Alvaro Dias (Podemos), João Amoêdo e Henrique Meirelles (MDB) têm 3% cada um; Guilherme Boulos (PSOL), Vera (PSTU) e Cabo Daciolo (Patri), 1% cada um. João Goulart Filho (PPL) e Eymael (DC) não pontuaram.

O Datafolha divulgou nesta segunda-feira (10) uma nova pesquisa de intenção de voto para presidente da República. É o primeiro levantamento do instituto desde que o Tribunal Superior Eleitoral rejeitou a candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva à Presidência.

O Datafolha pesquisou o cenário em que o nome de Fernando Haddad, candidato a vice-presidente pelo PT, aparece como possível substituto de Lula na chapa.

nível de confiança da pesquisa é de 95%. Isso quer dizer que há uma probabilidade de 95% de os resultados retratarem a realidade, considerando a margem de erro, que é de 2 pontos, para mais ou para menos.

Vamos aos números:

Rejeição

O Instituto também perguntou: “Em quais desses candidatos você não votaria de jeito nenhum no primeiro turno da eleição para presidente deste ano?”

Neste levantamento, portanto, os entrevistados podem citar mais de um candidato. Por isso, os resultados somam mais de 100%.

Vamos aos números:

  • Bolsonaro: 43%
  • Marina: 29%
  • Alckmin: 24%
  • Haddad: 22%
  • Ciro: 20%
  • Cabo Daciolo: 19%
  • Vera: 19%
  • Eymael: 18%
  • Boulos: 17%
  • Meirelles: 17%
  • João Goulart Filho: 15%
  • Amoêdo: 15%
  • Alvaro Dias: 14%
  • Rejeita todos/não votaria em nenhum: 5%
  • Votaria em qualquer um/não rejeita nenhum: 2%
  • Não sabe: 6%
  • Sobre a pesquisa
  • Margem de erro:2 pontos percentuais para mais ou para menos
  • Entrevistados:804 eleitores em 197 municípios
  • Quando a pesquisa foi feita:10 de setembro
  • Registro no TSE:BR 02376/2018
  • Nível de confiança:95%
  • Contratantes da pesquisa:TV Globo e “Folha de S.Paulo”

Comentários