23 de setembro de 2019 às 10:35
Escolha seu idioma:
CURTA NOSSA PÁGINA DO FACEBOOK E RECEBA NOVIDADES

Para Neto, vazamento de conversas não deve anular condenação de Lula


Publicado em: 11/06/2019 11:24
Por: Ascom PMS |Foto: Max Haack/Secom-Salvador


O prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM) comentou o vazamento de conversas entre o então juiz federal, Sérgio Moro, atualmente ministro da Justiça, e procurador do Ministério Público Federal (MPF) Deltan Dallagnol. Nesta segunda-feira (10), em conversa com a imprensa, o presidente nacional do DEM afirmou que as conversas não devem anular a condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), preso desde abril de 2018.

“Independentemente da decisão de prisão de primeira instância, a condenação foi confirmada pelo TRF-4, situado no Rio Grande do Sul. Depois, todos os recursos perante ao STJ e ao STF sobre os quais ele não teve êxito. Agora, finalmente, no STJ houve uma redução da pena, mas não houve um reconhecimento de inocência. Nós não estamos falando apenas de uma decisão de primeira instância, mas de uma decisão que foi confirmada pelo Tribunal Regional Federal e que foi reiterada pelo Superior Tribunal de Justiça no mérito. Não me parece que esse seja o ponto”, afirmou.

Mais cedo, o democrata havia dito que ainda era “prematuro” fazer qualquer julgamento sobre o caso. “O que me parece o ponto que terá que ser examinado à luz da legalidade é se o juiz e os procuradores atuaram dentro dos limites das suas competências legais. Isso que eu acho que vai ser determinante e decisivo. Eu, particularmente, não sei”, opinou.

No domingo (09), o site The Intercept Brasil divulgou conversas entre Moro e Dallagnol, retiradas no aplicativo Telegram, e obtidas através de uma fonte anônima, que pediu sigilo. As mensagens sugerem que o procurador e o ex-juiz federal, que era o responsável pela operação em Curitiba (PR), atuaram de forma conjunta e trocavam colaborações quando integravam a força-tarefa da Operação Lava Jato. O arquivo contém mensagens privadas e de grupos da força-tarefa, enviadas entre 2015 e 2018.

Comentários