20 de maio de 2019 às 13:48
Escolha seu idioma:
CURTA NOSSA PÁGINA DO FACEBOOK E RECEBA NOVIDADES

‘Não sabia que ia ser tão brutal’, diz baiano que fez figuração em GOT


Publicado em: 16/05/2019 9:07
Por:


Se para muitos fãs o episódio de “Game of Thrones” exibido no último domingo (12) foi de tirar o fôlego – alguns ficaram revoltados e outros extasiados –, para um jovem baiano, em especial, o desfecho foi ainda mais chocante. 

Escalado por uma agência de talentos europeia, João Filipe Azevedo, que viveu em Dublin, na Irlanda, até a semana passada, fez figuração como um dos soldados mercenários da Golden Company e viu de perto o combate que deixou arrasada Porto Real. “Eu, como todo fã, achei muito ruim da parte dela ter queimado toda galera ali. A gente sabia de algumas partes que iam acontecer, mas não sabia que ia ser tão brutal o jeito que ela se comportou”, conta Filipe, sobre o ato impetuoso de Daenerys Targaryen (Emilia Clarke), que mesmo após os sinos tocarem, anunciando a rendição dos exércitos comandados por Cersei Lannister, decidiu empreender fogo indistintamente, matando inclusive a população local. “Ela veio se apresentando mais madura, com mais honestidade, ela não é uma pessoa má. Se você observar, as pessoas que a seguiam tinham liberdade de escolher se continuavam com ela ou ficavam no caminho. Mas ali ela fez maldade tremenda, não precisava, os soldados já tinham se rendido”, destacou o baiano, que acompanha a série desde a primeira temporada. 

 


O baiano viu de perto a destruição de Porto Real | Foto: HBO

A história de Filipe com a indústria cinematográfica se cruzou por acaso. “Não sou da área. Sou formado em mecatrônica. Cheguei em Dublin, e um amigo que trabalhava comigo num bar e fazia parte de outras séries me falou da oportunidade”, conta o jovem , que se inscreveu no site da produtora, enviando fotos, informações gerais e medidas. “Primeiro fui chamado para fazer propaganda de uma pizzaria. Depois eles ligaram, conversaram, perguntaram se eu assistia ‘Game of Thrones’, gostaram de mim e fui selecionado”, revela Filipe, lembrando que todo o processo, da inscrição até o teste, levou cerca de um mês. “Pediram que eu fosse a Belfast, no dia do casting. Eles deram uma olhada, me fizeram experimentar algumas roupas, fiz algumas fotos, conversei com a produção e depois de dois dias me ligaram de volta já enviando as datas para fazer a gravação”, conta.

 


Filipe interpretou um dos soldados da Golden Company na oitava e última temporada de “Game of Thrones” | Foto: Arquivo Pessoal

Mesmo com toda a responsabilidade de atuar na filmagem de uma superprodução da HBO, Filipe destacou a satisfação de participar do projeto. “Foi genial. Nunca imaginei quando estava no Brasil ainda, há oito anos, que um dia ia participar de uma série. E depois que passei pelo processo seletivo, estar lá dentro junto com os atores é genial, é indescritível a sensação para quem gosta da série como eu”, compartilha o baiano, que durante as filmagens viu de perto seus personagens favoritos: Arya Stark (Maisie Williams) e Jon Snow (Kit Harrington). “Eles fizeram cenas na minha frente. A gente não pode falar, não tem contato, mas fica todo mundo junto”, conta. “Mas eles são muito simpáticos, é bem descontraído o ambiente. Na hora da cena é muito sério, mas depois que corta fica todo mundo conversando, câmeras, diretores, artistas…”, lembra o soteropolitano, destacando que há um controle muito rígido nos bastidores. “Você não pode levar nada. Assina contrato de confidencialidade com a HBO, é proibido filmar, vazar, dar spoiler. Eles tapam a câmera com um lacre, e se você mexe, ele que é branco, fica vermelho. Aí na saída eles conferem e se você mostra a tarjeta vermelha já não te chamam mais”, explica Filipe, que esta semana acaba de se mudar para Barcelona, na Espanha, e logo mais pretende viver em Málaga, no sul do país, onde planeja cursar outra faculdade. 

Mesmo em outro país, a trajetória do baiano nas produções cinematográficas pode estar só começando. Isto porque a agência na qual é cadastrado abrange toda a Europa e ele pode ser chamado para projetos em todo o território. Quem sabe a Bahia não ganha um representante em próximas temporadas da série espanhola “La Casa de Papel”?

Comentários