11 de dezembro de 2018 às 18:24
Escolha seu idioma:
CURTA NOSSA PÁGINA DO FACEBOOK E RECEBA NOVIDADES

Infestação do mosquito da dengue subiu de 1,8% para 2,7% em Salvador


Publicado em: 17/05/2018 8:28
Por: G1


Dados foram divulgados pela prefeitura de Salvador. Fazenda Coutos foi o local que apresentou o maior índice de infestação (10,1%) .

O Levantamento de Índice Rápido para Aedes aegypti (LIRAa) – mosquito transmissor de doenças como a dengue, febre amarela, chikungunya e zika virus – apontou que o Índice de Infestação Predial (IIP) em Salvador passou de 1,8%, em janeiro deste ano para 2,7%, em abril. Os dados foram divulgados pela prefeitura de Salvador.

O resultado de 2,7% significa que, a cada 100 imóveis visitados, aproximadamente três apresentaram focos do mosquito. O levantamento foi realizado entre os dias 9 e 13 de abril.

O LIRAa também apontou que o número de áreas com alto risco para epidemia das doenças transmitidas pelo Aedes no município passou de 10 para 14 bairros.

Fazenda Coutos foi o local que apresentou o maior índice de infestação (10,1%) . Por outro lado, o bairro de Brotas com 0,7%, apresentou o menor indicador da cidade.

O estudo mostrou ainda que os depósitos preferenciais do mosquito são baldes, tonéis e outros recipientes utilizados para armazenamento de água.

Segundo nota da prefeitura, as condições climáticas apresentadas nesse período do ano é um dos fatores que contribuem para a proliferação do mosquito. Chuvas intercaladas com momentos de forte calor facilitam a reprodução dos insetos.

Para o enfrentamento da infestação da dengue, a prefeitura da capital baiana retomará neste mês de maio os chamados “faxinaços” por toda a cidade com o objetivo de eliminar focos e criadouros dos vetores.

Apesar do aumento da infestação do mosquito, segundo a prefeitura, Salvador tem apresentado queda no número de casos confirmados de dengue, zika vírus e chikungunya. Entre janeiro e abril deste ano, 704 casos de dengue foram notificados, em comparação com os 1.075 do mesmo período do ano passado.

Em relação à zika, o registro foi quase quatro vezes menor, com 36 suspeitas de infectados até abril contra 135 no ano anterior. Já a chikugunya, são 29 ocorrências sob suspeita conta 118 notificações nos primeiros quatro meses do ano passado.

Comentários