14 de novembro de 2018 às 13:36
Escolha seu idioma:
CURTA NOSSA PÁGINA DO FACEBOOK E RECEBA NOVIDADES

Artigo: Imortal e culto, “Taurino já nasceu grande”


Publicado em: 24/10/2018 23:55
Por: Conça Barreto Fotos: Arquivo Pessoal - Publicado originalmente em A TARDE, pg. a2, 22 de outubro de 2018


24 de outubro de 2018. A Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS) sedia o lançamento do extraordinário livro Hermenêutica da Desigualdade: uma introdução às Ciências Jurídicas e também Sociais, de Taurino Araújo, CBJM e, aqui, fico eu imaginando o prazer estético experimentado pelo imortal Nelson Cerqueira, perito na arte de desvendar sentidos em meio às entrelinhas textuais, ao reler tantos autores no tempo-espaço desta teoria da interpretação e concluir que tal obra seja au-delá de Sócrates, Platão e Aristóteles, revolucionária de todo o pensamento ocidental.

Cultor do universo tedesco, através do qual se aprofundou nas Letras, na Hermenêutica e, sobretudo na Literatura Comparada, o texto de Nelson Cerqueira testifica o totalizador e humanístico impacto de Taurino Araújo ter alçado a desigualdade (tema idêntico global por excelência) a conceito jurídico fundamental. Daí dirigir, em direção a Taurino, tanto a vista crua que se depara com a lavra de uma pedra rara, quanto o telescópio que lhe sinaliza o real sentido e alcance ou, ainda, o microscópio em direção à profundeza das possibilidades denotativas e conotativas da obra, sobre a qual já se debruçaram sujeitos dos mais variados matizes intelectuais e culturais o que a torna, no mínimo, uma ode à Língua Portuguesa e seus utentes, eloquente forma de difusão da cultura da Bahia e do Brasil em sua pluralidade de manifestações pela dignificação e independência da intelectualidade brasileira e sua imortalidade ou, na síntese de Agenor Sampaio Neto, literário e apoteótico “tema para doutorado e para samba-enredo”.

Jurista Taurino Araújo.

É assim que, no âmbito da filosofia e mito de Hermes, Nelson Cerqueira acaba testemunhando, em face do extraordinário resultado de pesquisa e crítica obtido por Taurino, que mesmo as ciências exatas surgiram da comparação das chamadas “novas disciplinas” ou dos campos indisciplinares por que Taurino Araújo passeia com tanta desenvoltura. Também a Literatura Comparada, conforme postula Marc Ancel, devolveu-se em ambiente alemão, tal a Teoria Geral do Direito [declínio ou morte?!].

Para Manuela Motta esses tantos diálogos constituíram também excepcional miscelânea, polianteia de possibilidades literárias em sentido amplo, pois a linguagem em Taurino Araújo, além do fundo científico e denotativo, por sua escancarada abrangência, é mesmo um saboroso elemento de interação social, no qual o sentido polifônico se impõe através de um excepcional e significativo entrelaçar de ideias ao qual já se atribuiu tantos usos no âmbito do Governo, Negócios, Educação, Direito, Saúde e Terceiro Setor; análise, terapia, método, filosofia, pedagogia, autoeducação… Conheço Taurino há 40 anos. Imortal e culto, “Taurino já nasceu grande”!

Conça Barreto bacharela em Letras e Direito, funcionária pública estadual, assessora de juiz, Cidadã Honorária de Amargosa. conabarreto@yahoo.com.br

Comentários