14 de agosto de 2018 às 12:40
Escolha seu idioma:
CURTA NOSSA PÁGINA DO FACEBOOK E RECEBA NOVIDADES

Guardadores apreensivos com Zona Azul digital


Publicado em: 16/05/2018 13:20
Por: AG. NOTÍCIAS | Foto: Reprodução


Atualmente, o Sindguarda possui cerca de 800 trabalhadores cadastrados que estariam receosos em perder o emprego para o avanço da tecnologia.

A chegada da era digital para as cartelas da Zona Azul, prevista para ser implantada ainda este semestre, está deixando os guardadores de carros apreensivos com uma possível demissão em massa. Atualmente, o Sindicato dos Guardadores e Lavadores de Veículos do Estado da Bahia (Sindguarda) possui cerca de 800 trabalhadores cadastrados que estariam receosos em perder o emprego para o avanço da tecnologia.

Segundo o presidente do Sidguarda, Melquisedeque Mattos, a reivindicação não é contra a digitalização do serviço de estacionamento, mas o possível desligamento dos trabalhadores.

“A categoria está temerosa. O guardador hoje é autônomo com base em lei federal de 1975. No momento em que chegam os aplicativos, o guardador não terá direito a sua comissão. Seria a morte lenta para os guardadores, que hoje não ganham nem um salário mínimo. Sabemos que a tecnologia tem que acontecer, mas como vão ficar esses trabalhadores que prestam serviços há mais de 30 anos?”, questiona.

De acordo com ele, a Superintendência de Trânsito do Salvador (Transalvador), por meio de seu secretário Fabrizzio Müller, já entrou em contato com a categoria para falar como funcionará o serviço no início da implantação do sistema, mas não foi firme na garantia de que futuramente os guardadores não serão demitidos.

“Por mais que o senhor Fabrizzio Müller acredite que não, será a extinção do guardador.  A posição da Transalvador é que o guardador vai estar na área, no início, prestando o serviço de excelência e auxiliando com o aplicativo. Mas, depois que a sociedade já estiver educada com o serviço digital, dificilmente vai trocar o aplicativo pelo trabalhador”, relatou o presidente do sindicato.

Melquisedeque Mattos destacou ainda que aguarda reuniões definitivas com a Transalvador, a fim de acertar os demais detalhes da implantação do aplicativo que torna a Zona Azul digital e defendeu a importância da pessoa física nos estacionamentos.

“Hoje o guardador não é somente um agente de arrecadação, é também um agente de segurança pública. Onde tem um guardador, tem segurança. Lugares onde existe o guardador, o índice de roubos de carro é menor, porque o meliante respeita a figura do guardador”, garantiu.

O presidente do sindicato também defendeu a categoria e explicou sobre a “má fama” dos guardadores de carro.

“Infelizmente tem gente que só olha o lado ruim, mas esse lado existe em toda categoria. Muitas vezes, infelizmente, tem também homens e mulheres desempregados se dizem guardador e mancham a imagem da categoria. Mas essas pessoas são vítimas do sistema, que não tiveram direito ao estudo e trabalho, que está na rua guardando carro. Se o governo não tomar cuidado, vai acabar contribuindo para isso, marginalizando pessoas que hoje estão sindicalizadas, com profissão definida por lei”, finalizou.

Zona Azul digital

Conforme já divulgou a Transalvador, será feito um chamamento público para que empresas interessadas possam homologar suas propostas de aplicativos que irão comercializar as cartelas.

Com a digitalização da cobrança, as vagas de estacionamento delimitadas como Zona Azul poderão contabilizar o tempo de permanência de forma fracionada, a fim de facilitar para quem precisa utilizar o serviço por um curto período de tempo.

Existem cerca de 11.359 vagas de Zona Azul em toda a capital, e a expectativa é de ampliação com mais 500 vagas até o final deste semestre.

Comentários