16 de agosto de 2018 às 05:29
Escolha seu idioma:
CURTA NOSSA PÁGINA DO FACEBOOK E RECEBA NOVIDADES

Exército escolta caminhões no acesso da Refinaria Landulpho Alves, na Bahia


Publicado em: 30/05/2018 10:55
Por: Correio


Unidades militares do Exército da Bahia realizam operação  BR-323 na via que dá acesso a refinaria Landulpho Alves, na BR – 323, Refinaria Landulpho Alves (Rlam), em São Franscisco do Conde na Região Metropolitana de Salvador, na manhã desta quarta-feira (30). Os militares cumprem o decreto presidencial de liberar as estradas que estão intertidadas pelos caminhoneiros que estão em protesto há dez dias.

Uma viatura da polícia militar também faz a segurança do local. Não há nenhum caminhão na estrada. A assessoria de comunicação 6ª Região Militar do Exército informou que a operação militar a refinaria começou nesta quarta-feira (30) e não tem prazo para acabar. O objetivo, segundo o Exército, é garantir a entrada e saída de combustível para o abastecimento das cidades.

A medida foi tomada também em função da greve dos petroleiros, que acontece nesta quarta e deve durar 72horas.

Refinaria mais importante do estado 
Em cinco anos, a Refinaria Landulpho Alves (Rlam), responsável por 99,32% do refino de petróleo na Bahia e a segunda maior refinaria do país, teve uma redução de 30% em sua produção. Em 2013, aproximadamente 109 milhões de barris de derivados eram processados na Rlam, de acordo a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). No ano passado, foram pouco mais de 76 milhões. O volume produzido em 2017 retrocedeu ao mesmo patamar registrado em 2003, quando foram produzidos 75 milhões de barris. A situação da Rlam foi divulgada com exclusividade pela coluna Negócios do jornalista Flávio Oliveira no jornal CORREIO.

A Refinaria Landulpho Alves foi a primeira refinaria nacional de petróleo. Sua criação, em setembro de 1950, foi impulsionada pela descoberta do petróleo na Bahia e pelo sonho de uma nação independente em energia.

Em 2013, aproximadamente 109 milhões de barris de derivados eram processados na Rlam, de acordo a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). No ano passado, foram pouco mais de 76 milhões. O volume produzido em 2017 retrocedeu ao mesmo patamar registrado em 2003, quando foram produzidos 75 milhões de barris.

Localizada no Recôncavo Baiano, sua operação possibilitou o desenvolvimento do primeiro complexo petroquímico planejado do país e maior complexo industrial do Hemisfério Sul, o Pólo Petroquímico de Camaçari.

Nela são refinados, diariamente, 31 tipos de produtos, das mais diversas formas. Além dos conhecidos GLP, gasolina, diesel e lubrificantes, a refinaria é a única produtora nacional de food grade, uma parafina de teor alimentício utilizada para fabricação de chocolates, chicletes, entre outros, e de n-parafinas, derivado utilizado como matéria-prima na produção de detergentes biodegradáveis.

Somente nos últimos cinco anos, a Refinaria Landulpho Alves já perdeu mais de 7 mil postos de trabalho, segundo estimativas do sindicato dos petroleiros da Bahia.

Comentários