24 de março de 2019 às 00:05
Escolha seu idioma:
CURTA NOSSA PÁGINA DO FACEBOOK E RECEBA NOVIDADES

Com 372 igrejas, Salvador tem rico roteiro para turismo religioso


Publicado em: 03/01/2019 15:51
Por: AGENCIA DE NOTÍCIAS/ Foto: Divulgação


O verão é, por excelência, a temporada máxima de turismo na Bahia. Salvador tem o apelo fortíssimo das praias. Mas a cidade também pode oferecer uma experiência turística diferente: a religiosa.

O roteiro pode começar pela Igreja do Bonfim. A tradição recomenda amarrar fitinhas na grade, pedir benção, proteção.

“É uma emoção forte e uma energia indescritível a gente poder receber as bênçãos aqui na Igreja do Bonfim”, diz Alfredo Martini, administrador.

“Ano passado eu vim e fiz uma promessa. Este ano voltei pra agradecer”, conta a psicóloga Silvia Moraes.

Perto do Bonfim fica o Memorial da Irmã Dulce. Na capela, o túmulo da freira. A casa onde ela morou guarda a história de uma vida dedicada aos pobres.

Mas é a velha Salvador, das ruas e casarões coloniais, o endereço da maior concentração de templos católicos do país.

Catorze igrejas do roteiro religioso ficam na região histórica da cidade e podem ser visitadas a pé, sem precisar caminhar muito. Algumas são praticamente vizinhas. A de São Pedro dos Clérigos fica ao lado da Igreja de São Domingos. E, em frente, está uma das mais ricas do Brasil: a Igreja de São Francisco.

Uma tonelada de ouro reveste paredes tetos, altares. Não há como não ficar impressionado.

“É fora da realidade, é uma sensação única!”, diz Elians Cuiava, auxiliar administrativo.

“Já fui em muitas outras, não só aqui mas em outros países também, mas nenhuma com essa riqueza”, conta Fernanda Miranda, advogada.

A riqueza contrasta com os votos de pobreza que fez São Francisco. Mas cada detalhe dourado tem o peso da devoção ao santo.

“Pode até parecer uma contradição. Mas no sentido da época, no barroco, nos valores daquele momento, quanto mais bonito, quanto mais exuberante, para o divino, melhor”, explica o historiador Rafael Dantas.

Essa raridade levou 103 anos pra ficar pronta. O mesmo tempo que os escravos precisaram pra construir, nas horas de folga, a Igreja de Nossa Senhora do Rosário.

A Igreja do Passo tem uma torre privilegiada. De lá, se vê o Pelourinho, o Elevador Lacerda e a Baía de Todos Os Santos.

Um dos mais antigos templos católicos do Brasil é a Catedral de Salvador. Construída pelos jesuítas, acabou de ser restaurada. É um patrimônio das artes barroca, neoclássica, e da arquitetura religiosa do século XVII.

“Esse conjunto de igrejas belíssimas, uma mais bonita que a outra, não existe! A humanidade tem o direito de conhecer e se admirar dessas obras. E, tenho certeza, com essa admiração estarão louvando o senhor”, diz Dom Murillo Krieger, arcebispo de Salvador.

A capital da Bahia tem 372 igrejas. De todos os santos. Das artes, da beleza e da fé.

PROJETO CAMINHO DA FÉ

Na esteira das comemorações do aniversário de Salvador, o mês de março marcará também o início da requalificação de trechos relevantes da Cidade Baixa da capital baiana, como o entorno da Colina Sagrada – que inclui a Praça do Largo do Bonfim e do Largo da Baixa do Bonfim –, e a criação do chamado Caminho da Fé. Este último, por exemplo, diz respeito à criação de um corredor exclusivo para devotos do Senhor do Bonfim, na Avenida Dendezeiros. O financiamento para execução dos dois projetos será de R$ 28 milhões, entre recursos municipais e federais, conforme acordo firmado pelo prefeito ACM Neto com a Caixa Econômica Federal.

Os projetos são coordenados pela Fundação Mário Leal Ferreira (FMLF) e têm como proposta potencializar o caráter simbólico da Igreja Basílica de Nosso Senhor do Bonfim em relação ao entorno, com reforço do eixo Largo/Catedral. As intervenções serão responsáveis ainda pela ampliação dos limites da Praça do Largo para dar a sensação de continuidade das escadarias da igreja. O investimento para as obras no entorno da Colina Sagrada será de cerca de R$ 17 milhões, desta vez oriundos exclusivamente de recursos municipais.

Conforme o projeto, a pavimentação do local será composta por mosaico e grafismos marcados no piso em pedra portuguesa. O sistema viário será redesenhado com retirada das vias em frente à entrada da escadaria principal e à Casa dos Romeiros. Com isso, os motoristas deverão fazer o retorno pelos fundos da basílica, junto à Casa do Juiz da Devoção, na esquina com a Ladeira dos Romeiros.

Integrada ao conjunto de casas do entorno, será criado o Abrigo de Velas, um espaço próprio para os fiéis acenderem velas e eliminar riscos de incêndio na igreja. Também será disponibilizado o espaço de distribuição de água benta, com a função de ofertar aos visitantes o acesso à água santificada.

Baixa do Bonfim 

Na parte baixa da Colina Sagrada, a Praça Euzébio de Matos, também conhecida como Baixa do Bonfim, é um local de grande uso de moradores e visitantes, além de possuir importante papel nos grandes eventos religiosos da igreja. A requalificação contará com redesenho da área, que ficará integrada aos arcos da Ladeira do Bonfim. Com isso, haverá a reativação dos vãos dos arcos – os locais vão servir para atividades comerciais e de serviços.

No centro da área de convivência e lazer, será disposto um pequeno palco para realização de eventos pela comunidade. Parte da área, será destinada a criação de um estacionamento público, incluindo baias para ônibus e vagas para vans e motocicletas, para atender a demanda das vagas excluídas no Largo do Bonfim. A ligação entre as partes alta e baixa da Colina Sagrada ocorrerá por meio de rampas e escadarias que serão reposicionadas com acessibilidade universal.

A requalificação da Colina Sagrada tem como diretriz a preservação e valorização do Conjunto Arquitetônico, Urbanístico e Paisagístico da Colina Sagrada do Senhor do Bonfim, tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). Ao longo dos anos, a Igreja do Bonfim e entorno constituíram um importante ponto da identidade cultural baiana, de expressivo valor afetivo para os fiéis, da vivência da diversidade e da tolerância religiosas.

Peregrinação de fiéis 

A requalificação da Colina Sagrada vai complementar o chamado Caminho da Fé – projeto que vai transformar a Avenida Dendezeiros, que liga o Memorial de Irmã Dulce (Largo de Roma) à Basílica do Bonfim (Bonfim), em um local de peregrinação de fiéis e que vai impulsionar o turismo religioso na capital baiana. Com recursos na ordem de R$ 11 milhões, oriundos do Ministério do Turismo, o projeto pretende requalificar 1,1 quilômetros de extensão de via.

Do ponto de vista conceitual, a premissa foi priorizar o uso do pedestre, ampliando os passeios com faixas de circulação amplas e bem definidas, arborização da área, iluminação pública, sempre com foco na acessibilidade universal. Dentre os itens a serem implantados está uma faixa de jardim no mesmo nível do passeio, com área permeável, disposta ao longo de toda a avenida.

O paisagismo contará com a manutenção das árvores existentes e que estejam em bom estado, além do plantio de mais dendezeiros, para proporcionar um caminho agradável de sombra à população. Ao longo do trajeto, serão implantados bancos e totens, com placas alusivas a importância histórica da área, e iluminação cênica para valorização e segurança do percurso.

*Os valores descritos na reportagem tem como base janeiro de 2018.

Comentários