23 de outubro de 2018 às 15:23
Escolha seu idioma:
CURTA NOSSA PÁGINA DO FACEBOOK E RECEBA NOVIDADES

Ciro Gomes se coloca como terceira via à polarização


Publicado em: 17/09/2018 20:57
Por: AGÊNCIAS DE NOTÍCIAS / Foto: reprodução/Revista Veja


Candidato do PDT fez críticas a Bolsonaro e Fernando Haddad durante evento no Ibirapuera.

Durante a “Caminhada pela Paz”, evento realizado ontem o parque do Ibiraquera, em São Paulo, que reuniu eleitores do candidato à Presidência Ciro Gomes (PDT), o ex-ministro afirmou que o brasileiro “não quer e não merece” um segundo turno para ter que decidir entre um “fascista”, se referindo a Jair Bolsonaro (PSL), e “as enormes contradições do PT”, do candidato Fernando Haddad. Ciro afirmou que o PT não pensa no Brasil há anos e só quer se perpetuar no poder. Por isso fez alianças com o deputado Eduardo Cunha e os senadores Eunício Oliveira e Renan Calheiros, todos do MDB. “O PT está fazendo isso de novo, não aprendeu nada.” Ao ser questionado sobre as razões de seu irmão, Cid Gomes, estar apoiando Eunício no Ceará, Ciro disse que a pergunta teria que ser feita para seu irmão. “Eu sou contra o Eunício Oliveira e ele vota no Haddad.”

“Quero unir o Brasil que produz e trabalha” disse Ciro Gomes, falando que sua candidatura é uma alternativa para a “polarização odienta” que tomou conta do País. Sobre o crescimento de Haddad nas pesquisas, o candidato do PDT afirmou que eleição tem essas reviravoltas e é preciso ter calma. “Até a reta final, ainda haverá muitos momentos de emoção e viradas”, disse ele. “Mas acredito em final feliz.” Em rápido discurso no evento, Ciro disse que o eleitor não deve se guiar por pesquisas de intenção de voto e se pautar pela responsabilidade. Ciro também negou estar envolvido em escândalos de corrupção ou outras irregularidades. “Quero lembrar ao meu querido amigo (Fernando) Haddad que tem muita gente que não é investigada por corrupção no Brasil. Eu, Ciro Gomes, não sou investigado”.

O candidato do PDT declarou que “desafia qualquer pessoa a mostrar qualquer envolvimento meu em qualquer irregularidade, nem que seja para ser absolvido”, ao responder sobre notícia do jornal O Globo de que estaria em delação da Galvão Engenharia protocolada no Supremo Tribunal Federal (STF). Perguntado sobre essa delação, o presidenciável disse que ficou sabendo dela hoje pela imprensa. “Não há a menor probabilidade, nenhuma chance de meu nome estar envolvido em qualquer tipo de irregularidade”, disse ele. Ciro disse que seus adversários Haddad e Geraldo Alckmin (PSDB) é que respondem por denúncias de corrupção. “Eu não respondo por nenhuma acusação. Não vamos misturar alhos com bugalhos, porque é isso que interessa aos fascistas do Brasil, pegar as pessoas e jogar tudo na vala comum.”

Comentários