16 de novembro de 2018 às 01:27
Escolha seu idioma:
CURTA NOSSA PÁGINA DO FACEBOOK E RECEBA NOVIDADES

Cédula rasgada mantém valor e pode ser trocada


Publicado em: 03/06/2018 16:38
Por: Alexandre Brum / Agência O Dia


A caixa de padaria Cristiane do Nascimento disse que não pode deixar de receber notas rasgadas. Segundo ela, o gerente leva para trocar.

Ninguém gosta de nota rasgada. Nem quem tem, nem quem recebe. No entanto, a população precisa ficar atenta: nenhuma instituição financeira pode se recusar a trocar cédulas danificadas, segundo o Banco Central. Todas têm a obrigação de substituí-las por uma nova. Além das depredadas, cédulas com rabiscos, símbolos ou quaisquer marcas estranhas também podem ser trocadas por outras novas.

No meio comercial alguns estabelecimentos não deixam de receber notas rasgadas, mesmo sem ter essa obrigação. “Nós aqui recebemos normalmente. Guardamos as notas e no fim do mês o gerente leva no banco e troca”, disse a caixa da Padaria Gran Rio, na Lapa, Centro do Rio, Cristiane do Nascimento, 29 anos. Já o militar André de Melo, 48, não gosta de ficar com cédula rasgada: “Eu troco todas que eu posso antes de dar em algum estabelecimento comercial. É melhor se prevenir”.

De acordo com a economista do Instituto de Defesa do Consumidor (Idec), Ione Amorim, as notas rasgadas e depredadas podem ser usadas, mas é comum não serem aceitas nos estabelecimentos. “Por causa da forma física da cédulas, os vendedores não querem aceitar. Eles têm esse direito também. Quando isso acontecer, é só ir no banco trocar”, recomenda.

Questionado pelo DIA, o Banco Central ressaltou que as cédulas podem ter ou não valor em função do grau de dano apresentado. Dependendo, elas serão encaminhadas para destruição. As desgastadas pelo tempo, rasgadas ou até mesmo pela metade podem ser utilizadas e trocadas por novas nos bancos. As instituições financeirastêm a obrigação de receber as notas mesmo em estado ruim.

No entanto, alguns consumidores já receberam a negativa dos bancos. É o caso da aposentada Maria de Barros, 68. “Cheguei à agência bancária e o funcionário informou que não tinha autorização para fazer a troca. A minha solução foi depositar o dinheiro na minha conta pelo caixa eletrônico”, contou ela.

Gastos

Em 2017, o Banco Central gastou R$ 295,3 milhões com a reposição de 1.137 milhões de cédulas sem condições de circular – rasgada e sujas..

BC desmente boatos na Internet

No começo do mês de maio, nas redes sociais e WhatsApp circularam fotos de cédulas carimbadas com a imagem do ex-presidente Lula e a mensagem “Lula Livre”, durante o processo de prisão.

Mensagens falsas circularam pela internet com o seguinte informativo: “Banco Central acaba de divulgar que a rede bancária está proibida de receber notas com carimbo ‘Lula Livre’. Se receberem tais notas, os bancos deverão chamar a polícia. O portador estará sujeito ao Artigo 163 do CP [Código Penal]”.

Em comunicado, o Banco Central esclareceu que, ao contrário do que foi divulgado, as notas não perdem o valor. “Cédulas com rabiscos, símbolos ou quaisquer marcas estranhas continuam com valor e podem ser trocadas ou depositadas na rede bancária. As notas descaracterizadas apresentadas na rede bancária serão recolhidas ao Banco Central para destruição”, diz o texto.

A nota da autoridade monetária informava ainda que o comércio não é obrigado a aceitar as notas, mas os bancos são.

*Estagiária sob supervisão de Max Leone

Comentários