16 de outubro de 2018 às 05:07
Escolha seu idioma:
CURTA NOSSA PÁGINA DO FACEBOOK E RECEBA NOVIDADES

Bahia arrasa o Vasco na Fonte e fica perto das quartas da Copa do Brasil


Publicado em: 10/05/2018 8:20
Por: AGÊNCIA A TARDE / Felipe Paranhos e Gabriel Conceição


O técnico Guto Ferreira disse na terça-feira, 8, antes do último treino de preparação para o jogo desta quarta, 9, contra o Vasco, pelas oitavas de final da Copa do Brasil, a seguinte frase: “Ano passado, o Bahia fez 50 gols na Série A do Brasileiro. 25 foram marcados por jogadores que continuam no plantel. Eles são capazes, sim. Eles são qualificados, sim. É um momento que nós estamos passando. Na hora em que sair um [gol], tira aquele peso e com certeza virão outros”. E não é que ele tinha razão? Com gols de Zé Rafael, Edigar Junio e Vinicius — todos remanescentes da temporada 2017 —, o Esquadrão fez 3 a 0, encerrou o jejum do ataque e, de quebra, trouxe a paz de volta ao Fazendão.

Para não dizer que só a turma de 2017 brilhou, que fique claro: João Pedro foi o grande destaque da partida e fez, sem dúvida, sua melhor apresentação com a camisa do clube. Élber, sobretudo no primeiro tempo, também foi muito bem.

Na tentativa de manter o embalo, o Bahia volta a campo no domingo, 13, diante do São Paulo, novamente na Arena Fonte Nova, pelo Campeonato Brasileiro.

Início elétrico

A partida começou eletrizante: o Vasco chegou logo as 40 segundos com chute torto de Andrés Rios, e o Bahia deu o troco com jogadas perigosas de João Pedro, Élber e Elton, ambos pela direita. E o tricolor continuou chegando muito forte pelo setor esquerdo da defesa vascaína. Aos 13, João Pedro achou espaço novamente, bateu cruzado, a bola passou por Martín Silva, mas Vinicius não conseguiu completar para o gol. Dois minutos depois, Bruno Cosendey bateu forte e Douglas defendeu em dois tempos.

O Vasco não conseguiu fechar os espaços cedidos pelo lateral-esquerdo Henrique, e João Pedro continuou com liberdade por lá. Aos 18 minutos, o camisa 22 driblou para o meio, tentou chutar de esquerda, a bola bateu na defesa e sobrou para Zé Rafael, que colocou de perna direita no ângulo. Golaço.

O Esquadrão não diminuiu o ritmo — pelo contrário, até. Seis minutos depois, em mais uma jogada pela direita, Élber sofreu falta. Na cobrança, Vinicius colocou a bola na cabeça de Edigar Junio. Martín Silva até tocou na bola, mas sem sucesso. 2 a 0.

O torcedor que foi à Fonte Nova parecia não acreditar. Mesmo com dois gols de vantagem, o Esquadrão continuava pressionando. Zé Ricardo, treinador do Vasco, tentou reagir, colocando Wagner no lugar de Bruno Cosendey ainda aos 30 minutos do primeiro tempo.

Não deu lá muito certo. Quatro minutos depois, Edigar recebeu de Vinicius, ganhou de Erazo e chutou para o gol. Não fosse Paulão, que salvou a bola quase em cima da linha, seria o terceiro.

No início da segunda etapa, o Vasco sequer conseguiu esboçar uma reação: aos 2 minutos, Élber passou por Desábato, chutou bem e Martín Silva salvou. No lance seguinte, novamente Desábato foi driblado — desta vez por Zé Rafael — e a bola ficou com Vinicius, que, de fora da área, bateu colocado, sem chances para o goleiro do Vasco. Outro belo gol na Fonte Nova.

Aliás, não estranhe o fato de a análise praticamente só conter lances do Bahia. É que, de fato, o Vasco praticamente não levou perigo a Douglas nos 90 minutos. Aos 20 do 2º tempo, Erazo recebeu cruzamento de Pikachu e cabeceou fraco para o gol, nas mãos do goleiro tricolor.

Aos 43, após bate-rebate dentro da área, Kelvin chutou por cima, na melhor chance carioca em todo o jogo. Parecendo refletir o caos administrativo do clube, o Gigante da Colina mostrou muito nervosismo, seja com jogadores discutindo entre si, seja reclamando ostensivamente do juiz.

E quem na torcida se importava com a crise vascaína? Aos gritos de “Adeus, Vasco”, os tricolores se despediram antecipadamente do adversário. O jogo de volta acontece no dia 16 de julho — a segunda-feira seguinte à final da Copa da Rússia.

Comentários