15 de dezembro de 2018 às 19:08
Escolha seu idioma:
CURTA NOSSA PÁGINA DO FACEBOOK E RECEBA NOVIDADES

Aeroporto de Salvador vai receber certificado de redução de gases com efeito estufa


Publicado em: 05/06/2018 11:12
Por: Correio


O Aeroporto de Salvador deve ser o primeiro do Brasil a receber um certificado internacional de redução de gases com efeito estufa. Até o final deste ano, o terminal vai receber o primeiro nível da certificação ACA – Airport Carbon Accreditation, que é um programa mundial para gerenciamento de carbono estabelecido pela Airport Council International (ACI), que avalia e reconhece, em quatro etapas, os esforços de redução de gases de efeito estufa gerados pelos aeroportos.

A informação foi divulgada nesta terça-feira (5) pela Vinci Airports, concessionária que administra o aeroporto. Segundo a Vinci, o projeto faz parte de uma série de ações de sustentabilidade que o grupo começou a colocar em prática no terminal aeroportuário.

Ainda de acordo com a concessionária, esses objetivos fazem parte da política global AirPact, compromisso assinado pela Vinci Airports com a meta de combater o aquecimento global. Esse pacto é compartilhado por todos os aeroportos administrados pela companhia no mundo.

O mapeamento de carbono do aeroporto de Salvador teve início assim que a VINCI Airports assumiu a gestão das operações do terminal, em janeiro. O estudo conta com o envolvimento de 72 subconcessionárias, além de oito companhias aéreas, para identificação de todas as emissões diretas e indiretas de gases do efeito estufa, consumo de eletricidade e calor ou vapor gerados no pelo aeroporto. A coleta de dados servirá como base para um relatório de emissões anuais de carbono referentes ao aeroporto.

“Nos orgulha incluir a Bahia entre os 237 aeroportos do mundo que operam com o selo ACA. A VINCI Airports é o primeiro grupo aeroportuário internacional a aderir ao programa, com 33 aeroportos já certificados na França, Portugal, Camboja, Japão, Chile e República Dominicana. Estamos trabalhando para conquistar o selo ainda em 2018 e incluir o aeroporto de Salvador neste time de sucesso”, completou Júlio Ribas.

O processo de acreditação do carbono segue com mais etapas, inclusive, a redução dos gases emitidos pelo aeroporto de Salvador, o engajamento de terceiros na proposta de sustentabilidade e a neutralização e compensação de todo o carbono gerado no terminal. O prazo para que todas as etapas sejam concluídas é 2020.

Além do selo ACA, o projeto do novo terminal de passageiros do Aeroporto Salvador também inclui outras ações efetivas de sustentabilidade, como a instalação de uma nova Estação de Tratamento de Efluentes (ETE), com capacidade para eliminar até 98% dos poluentes presentes na água e garantir 100% de reuso em vasos sanitários, torres de resfriamento, limpeza e irrigação, sistema de painéis fotovoltaicos (energia solar),  coleta seletiva e reciclagem de resíduos sólidos, iluminação LED e de janelas com películas para a manutenção do conforto térmico, valorização da iluminação natural, sistema de refrigeração de baixo consumo energético (20% menos que o atual) e luminárias com uso de sensores de presença.

Expansão e renovação
A primeira fase das obras do Aeroporto Salvador Bahia, que teve início no dia 19 de abril, vai garantir que os passageiros e companhias aéreas vejam mudanças positivas em um prazo relativamente curto. Os trabalhos envolvem obras de expansão e adequação da infraestrutura na área das aeronaves, além da expansão e modernização do terminal existente (+20.000 m2).

Segundo a Vinci Airports, as obras devem permitir um melhor fluxo pelo terminal e novas experiências para todos os passageiros, incluindo uma área comercial que dará destaque à identidade de Salvador, modernização de banheiros e fraldários, melhorias na sinalização do aeroporto, novos sistemas de ar condicionado e ventilação, elevadores e escadas rolantes adicionais e instalação de wi-fi de alta velocidade. Durante o período de pico, as obras empregarão cerca de 800 trabalhadores. O investimento total desta primeira fase será de cerca de R$ 600 milhões, com previsão de entrega em outubro de 2019.

Comentários