14 de agosto de 2018 às 20:29
Escolha seu idioma:
CURTA NOSSA PÁGINA DO FACEBOOK E RECEBA NOVIDADES

Advogados de partidos políticos oferecem ajuda a caminhoneiros na Bahia


Publicado em: 30/05/2018 7:32
Por: Correio


Apesar da libertação pela polícia, nesta terça-feira (29), de caminhoneiros que alegaram estar sendo ameaçados em rodovias baianas, caso deixassem o movimento grevista que começou no último dia 21 de maio, lideranças da categoria em greve desde o último dia 21 de maio no estado negaram a presença de infiltrados na paralisação no estado. Eles admitiram, entretando, que advogados ligados a partidos políticos ofereceram ajuda ao grupo.

Na última segunda-feira (28), o presidente da Associação Brasileira do Caminhoneiros (Abcam), José da Fonseca Lopes, disse que os caminhoneiros querem voltar ao trabalho, mas estão sendo impedidos por “intervencionistas” que, segundo ele, “querem derrubar o governo”.

No final de semana, porém, o CORREIO encontrou um grupo de caminhoneiros que se manifestavam na altura do bairro de Valéria, às margens da rodovia BR-324, em Salvador, que pediam a intervenção militar. Parte dos manifestantes morava no próprio bairro e tinha os caminhões estacionados em casa, enquanto participavam da manifestação na rodovia federal.

Ao ser questionado sobre quais foram os partidos políticos que ofereceram “ajuda”, Arivaldo Xavier Borges não quis fornecer a informação. “Isso, eu não posso dizer. Só sei que eles nos procuraram e nós não quisemos atrelar o nosso movimento com a política”, declarou ao CORREIO.

O presidente da Abcam também disse que o pacote de medidas anunciado pelo governo federal para atender às reivindicações dos caminhoneiros resolveu o problema da categoria, mas que caminhoneiros que querem voltar a trabalhar “estão sendo ameaçados de forma violenta”.

“De forma alguma. Ninguém aqui está sendo obrigado a nada. Estão todos aqui por conta própria. A paralisação é o clamor da sociedade, que entende e nos apoia com doações. O povo não aguenta mais pagar pelo rombo da Petrobras”, disse Marcos Mota, liderança do movimento em Camaçari, na Região Metropolitana de Salvador (RMS).

Comentários